Compartilhe

Por um domingo melhor. Por que não?

por

Olá queridos! Hoje o domingo teve cara de sexta à noite. Cheguei em casa às 18h animada porque a nossa segunda é folga e o domingão estava só para começar.

Com essa vida maluca de idas e vindas que levamos é preciso se adaptar e manter a cabeça aberta. Nada de se deprimir com a voz do Faustão ou a vinheta do Fantástico na TV pensando que o fim de semana está para terminar. Aqui é tudo de ponta cabeça mesmo e querem saber? Gosto assim. Desde que virei comissária de voo nunca mais sofri da “depressão de domingo a noite”.

Meu Deus como era terrível. Era ouvir a voz do gordinho que meu humor ia de 10 a 0 em menos de meio segundo e na minha cabeça já passavam imagens fúnebres da Chantal acordando cedo, Chantal pegando o buzão lotado, Chantal sentada o dia todo na frente do computador num trabalho sacal, Chantal de saco cheio!!! Que horror.

Agora a vida é diferente. Por vezes meu trabalho pode ser bem estressante mas já é rotina acordar mais cedo que as galinhas todo dia e pegar o trânsito infernal de São Paulo. Pelo menos vou de carro ouvindo o som no último volume – o que já melhora o meu humor em 300%. Além disso, não preciso aturar as mesmas pessoas todos os dias. Veja, se você entrar no avião e não me der bom dia, problema é só seu, às pessoas vão e vem e eu jogo para elas muita luz (isso é só 90% verdade). Pelo menos quando eu sorrio e dou bom dia para alguém que nem me olha e assim mesmo consigo jogar “a luz do bem” para ela sem tomar isso para mim estou um passo mais à frente no caminho da evolução pessoal, e isso é um exercício diário que pode ficar bem divertido. Enfim, e o principal é que com o meu trabalho nem todo domingo é domingo e nem toda segunda é sinônimo de semana começando então nesse ponto preciso admitir que sou uma pessoa privilegiada.

Mas vamos ao que interessa: eu e o Lucas fomos ao mercado comprar algumas coisinhas para beliscar e o resultado saiu delicinha: frios, pastinha de iogurte grego, homus, carpaccio e vinho.

 

Sobre o vinho

winenotvinho

Estancia Mendoza | Cabernet Sauvignon 2015.

Esse vinho nós compramos na Argentina em nossa última viagem, no aniversário do Lu. Era para chegarmos com nove garrafas de vinho em casa para abastecer a nossa adega (que está sempre vazia não sei se por bom ou mau sinal) mas só conseguimos salvar cinco porque adoramos uma bagunça e foi boa parte na viagem mesmo.

 

Sobre as comidinhas
winenotcomidinhas

A gente resolveu petiscar então o Lu fez um Homus – que eu AMO e sou fã de carteirinha, comeria todo dia de colherada – para acompanhar pão sírio integral que encontrei no mercado e pão italiano. Testei uma receita de pastinha de iogurte grego que ficou uma delícia mas não consegui chegar na consistência que eu esperava e que parecia ter na foto da receita, então vou tentar mais uma vez para só então passar para vocês. Salaminho, copa, espetinho de mussarela de búfala com tomatinhos e manjericão.

Como a gente é olho gordo e achou que seria pouca coisa fizemos uma mini salada de rúcula com fatias de carpaccio de carne e parmesão ralado.

Sobre isso preciso dizer: estou in love. Carpaccio é tudo de bom e depois que descobri ele na Swift aqui do lado de casa sempre tenho pelo menos uma caixinha no freezer porque ele salva qualquer noite, fica a dica.

Sobre o som

winenotu2

“U2 Innocence + Experience”

Esse DVD é novo, o Lucas ganhou de aniversário do nossos cumpadres (nossa como essa palavra soa estranha e totalmente contrária ao que significa, não gosto mesmo mas enfim…): o Diego e a Lara (ah, esses eu gosto muito).

Esse show foi gravado ao vivo em Paris e tem uma história muito louca, estava marcado para exatamente um dia após os atentados que aconteceram no ano passado na casa de shows Bataclan e em outros locais da cidade. Obviamente o show foi adiado e acabou acontecendo em 7 de dezembro do mesmo ano, na Accorhotels Arena. O bacana é que o show foi feito todo em prol da memória das pessoas que perderam a vida injustamente nos atentados e o resultado é realmente emocionante, vale muito a pena assistir o DVD.

Não precisaria nem dizer que a produção do show é fenomenal, como em todas as turnês da banda. Todos os shows deles possuem uma inovação em questão de produção, seja no palco, estrutura, enfim. O 360 foi um bagulho absurdo, o telão descia desmembrado numa estrutura de 360 graus sobre o palco e nunca havia tido nada parecido antes. Já nesse, há uma passarela de aproximadamente 30m no meio da arena com um telão gigantesco que fica suspenso sobre ela e se movimenta, descendo até o chão em algumas ocasiões. O telão passa imagens fantásticas e além de ser dupla face às vezes fica translúcido, dando a impressão que a banda faz parte do cenário do telão. É incrível e, nas palavras do Lucas “absurdamente foda”.

“Eu achei fantástica a versão de The Fly nesse show. Quando termina “Until the end of the world” a banda desce para o camarim para uma troca de roupa e nesse momento o telão fica passando palavras e dizeres impactantes relacionados com a música e que, convenientemente, tem muito a ver com o momento e o sentimento dos parisienses. O Bono começa a cantar lá mesmo do camarim e, no DVD, a gente consegue ver o staff limpando o suor do cara, ajudando na troca de roupa…a versão ficou muito bacana e diferente da original.

Raised by Wolves é uma música nova, do último CD, que é muito boa. Dos clássicos, Where the Streets Have no Name, Pride e Sunday Bloody Sunday são muito foda, sempre.” (Lucas)

Por hoje, o domingo já virou segunda e é hora de dormir.

Beijos e abraços!

No Comments Yet.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *