Compartilhe

Dindos babões: a beleza de sermos padrinhos de um baby

por

Padrinhos são a melhor opção para o seu bebê: vem com função “multiuso” e sistema de “backup”

Isso mesmo, escolhendo um bom casal de padrinhos para seu bebê você “vai estar adquirindo” (uouuuuuu!! Personifiquei o atendente do call center para chamar sua atenção) substitutos eficientes para caso de perda ou inabilidade com função de amigo, meio pai, meio mãe, educador e amiguinho do seu filho. Precisa mais?

Parece brincadeira, mas não é. Na realidade ser padrinho de um baby é algo muito sério. Requer responsabilidade, confiança, troca e muito amor. Graças ao bom Deus, quando acontece de um casal ser escolhido para apadrinhar um bebê costuma ser a consequência de uma amizade entre ele e os pais do futuro nênis onde tudo isso já existe.

Quando a gente entende que essa chamada é algo muito bem pensado pelos pais, todo esse respeito, confiança e amizade adota quase que instantaneamente um bebê, porque amor adquirido é amor transferido e multiplicado. Isso é o máximo!

dindos babões

A origem do apadrinhamento e seu real significado hoje

O apadrinhamento existe desde o século II e vem do cristianismo. Na época era visto como uma servidão voluntária por parte do indivíduo que apadrinhava. Já no século V os padrinhos passam a ser vistos como “pais espirituais”.

É tudo muito histórico e hoje virou tradição geral mesmo. Se pararmos para pensar que estamos escolhendo “pais espirituais” para nossos filhos, independente da religião e da cerimônia acontecer ou não, é uma ideia muito bonita e que não deve ficar só na ideia, viu?

Ao ver os padrinhos como “pais espirituais” entendemos o real significado do apadrinhamento. É assumir uma responsabilidade voluntária com alguém que vem ao mundo para trilhar sua história, assim como nós. Esse comprometimento nos torna ponto de apoio e segurança àquele que vai construir e reconstruir seu destino. Bacana né?

significado de ser padrinho

E nos tornamos padrinhos!

Quando os amigos começaram a se encher de filhos senti uma vontade imensa de me doar a alguém assim: com esse amor peculiar que vemos por aí. O exemplo dos próximos é incentivador. Vejo quem é padrinho de um bebê se desprender de tanta coisa por um amor quase de pai e mãe, e, ainda mais bacana, de graça e espontâneo por um serzinho que ainda nem se conhece e não necessariamente tem vínculo sanguíneo.

Depois é claro: a convivência aumenta o amor, a responsabilidade eleva o envolvimento e por aí vai. Vira-se meio pai, meio mãe, amigo, educador. Função “multiuso” e de “backup”. De quebra a experiência é um grande aprendizado para o casal. Eu e o Lucas temos aprendido muito e fortalecido também os nossos laços, o que é ótimo!

Hoje temos dois afilhados: o Theo e o Arthur. O Theozinho é filho da minha prima e Arthur de um casal de amigos que acabaram por ficar ainda mais próximos. Fato é que isso faz a família aumentar e que não vejo a hora deles crescerem mais um pouco para virem dormir e fazer bagunça em casa.

afilhados

Arthur e Theozinho, nossos filhotes do coração

Isso mesmo, viramos todos uma grande família: escolhida a dedo. Existe amor mais bonito que o que independe de laços sanguíneos? É gostoso demais assumir essa responsabilidade voluntária por alguém que está chegando ao mundo, procurar guiar seus passos, sentir essa ligação espiritual e a confiança que depositam em você.

Logo mais eu e o Lucas vamos precisar começar a pensar na escolha dos padrinhos do nosso bebê, está chegando a hora de encomendar um para a cegonha, rsrs. Aí então postaremos as dicas de como fazer isso e entraremos mais a fundo nesse assunto, prometo – tem muita coisa boa sobre isso e muito a se pensar!

Por hora é isso amores, nossos desejos mais sinceros de que que possamos fazer nossas famílias crescerem com escolhas sábias de quem deixamos entrar em nossas vidas. E que, uma vez que entrem, possam somar e multiplicar!

Beijos enormes!

2 Respostas
  • Lara
    janeiro 3, 2017

    Omwwwwww meu Deus q post lindoooo!!!

  • Rosicler Boeing
    janeiro 4, 2017

    Achei lindo seu post! E acredito que as pessoas precisam sacar que o padrinho é como um orientador, um pai substituto, é uma escolha de muita responsabilidade! Parabéns pela escolha do tema.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *